Acupuntura no SUS (2)

Acupuntura no SUS (2)

Na Grupo de Trabalho realizado no Ministério do Trabalho, em Brasília (DF), durante os dias 25 e 26 de novembro, onde o Prof. Jean Luís de Souza, esteve presente reperesentando a SOBRAFISA, informações importantes foram apresentadas pelo Departamento de Coordenação de Atenção Básica, sobre a atuação dos profissionais de saúde no SUS e no Programa de Saúde da Família (PSF), demonstrando que os fisioterapeutas lideram os procedimentos de ventosa, moxa e eletroacupuntura e a ainda a grande inclusão e inserção dos Fisioterapeutas no NASF em todo Brasil.

Para que estas inclusões e lideranças continuem é preciso que ações continuadas possam contar com colaboração dos próprios profissionais com ações como as que seguem:

a) Os profissionais que atuam nos serviços públicos a se cadastrarem para fazer parte dos registros que divulgam os profissionais que atuam com as práticas integrativas e complementares, principalmente a Acupuntura;

b) Promover a orientações para implantação de ações e serviços de Práticas Integrativas e Complementares no SUS com a participação ativa nos Conselhos Municipais de Saúde e no desenvolvimento de ações que sensibilizem os gestores municipais para ampliação de acesso e insumos a população e aos profissionais especialistas e/ou que exerçam atividades voltadas para a PICs;

c) Estimular a realização de parcerias entre os diversos Estados da Federação e Municípios para implantação das Práticas Integrativas e Complementares com a inserção dos Fisioterapeutas nas mesmas.

Analgesia e Acupuntura

Analgesia e Acupuntura

REVISÃO DOS ÚLTIMOS 30 ANOS DE PESQUISA

Por:
Marta Imamura
Wu Tu Hsing

Os efeitos da Acupuntura e da eletroacupuntura são mediados através de uma variedade de mecanismos neurais e neuro químicos. As pesquisas realizadas no início da década de 70 inicialmente elas chegaram aos mecanismos para o efeito da anestesia por acupuntura. Nossos experimentos demonstraram que este efeito pode ser transferido de um coelho para através da transfusão do líquido céfalo raquidiana (LCR). Outras investigações exploraram o papel dos neuro transmissores centrais clássicos na mediação da analgesia por acupuntura, incluindo as capicolaminas e as celotoninas. A disponibilidade de modelos animais em ratos para a eletroacupuntura, utilizando a latência da retirada do rabo como uma avaliação biológica, permitiu novos experimentos para explicar a base desses efeitos. A liberação diferenciada de pepitídios ecliásticos do sistema nervoso central (SNC) pela eletrocupuntura de 2Hv liberando encefalinas e beta endocinas e a estimulação de 100Hv seletivamente aumenta a liberação de dinocina na medula espinal. A combinação de ambas as freqüências permite uma interação cinergística entre os três pepitídios ecliásticos endógenos e um efeito analgésico mais potente. Além disso, os tratamentos múltiplos com acupuntura com o tempo ou espaçamento de tempo ótimo deve resultar em um efeito cumulativo da eletrocupuntura. A distribuição binodal do efeito analgésico pode ser notado em um grande grupo de ratos que receberam eletrocupuntura (“maus respondedores” e “bons respondedores”). O mecanismo da baixa resposta pode ser explicado de duas maneiras: uma menor taxa de liberação de pepitídios opióides no SNC, e uma taxa alta de liberação de CCK-8, que exerce efeitos potentes anti-epiástios. Uma descoberta recente do pepitídio anti-epiástios é a orfanina (SQ) que também tem sido ligada a um efeito a um controle de réptil alimentação negativa de estimulação por eletrocupuntura. Novas pesquisas irão permitir a elucidação dos mecanismos no tratamento de acupuntura na detoxicação propiásticos e como diferenciar as diferentes entidades neurológicas e a sua resposta diferente a eletrocupuntura.

FENÔMENOS BÁSICOS DA ANALGESIA POR ACUPUNTURA EM INDIVÍDUOS HUMANOS NORMAIS

O manuseio manual da agulha inserida em um ponto de acupuntura (IGLI 14) produz um aumento marcante um aumento significante no limiar de tolerância a dor pegumentar como medido através do método de iotonforeze de potássio (GRUPO DE PESQUISA DE ANESTESIA POR ACUPUNTURA, 1973) o tempo de início demorado tardio (período de 30 minutos de indução). É uma queda exponencial (T1 / 2= 16minutos) sugeriu o envolvimento de um mecanismo imoral.

MODELO ANIMAL NA ANALGESIA POR ACUPUNTURA

A evidência foi obtida demonstrando que a acupuntura ou a eletroacupuntura induz um aumento na latência da retirada do rabo do rato (HEN; HAN, 1979), e o aumento na resposta de latência do sapo (movimentos da cabeça fugindo de uma fonte de calor radiante) no coelho (HAN e ET OL., 1978). A evidência também demonstrou os modelos operantes de condicionamentos para demonstrar a acupuntura de analgesia em primatas.

INTENSIDADE DO ESTÍMULO

O efeito antinos-septível induzido pela eletroacupuntura demonstrou, (tanto em ratos como em coelhos) uma relação intensidade-resposta. Os parâmetros da estimulação elétrica (freqüência entre 2Hv e 100Hv, comprimento do pulso de 0.3ms, intensidade 1-3mA) ligados a uma agulha de aço inoxidável inserida no ponto de acupuntura são capazes de induzir a excitação de fibras AΔB e parcialmente de fibras A Δ assim como em uma pequena proporção de fibras C. O acréscimo adicional na intensidade da estimulação pela a eletroacupuntura que envolve mais fibras C, como no caso do controle inibitório nóxico de fuso poderia certamente aumentar a potência da analgesia, porém a dor e o extress gerados desse estímulo nóxico poderia prevenir o uso clínico. Foi relatado que o uso da capsa ensina para bloquear a transmissão da fibra C no nervo ciático do rato não afeta a analgesia por eletroacupuntura de modo significante (FAN; E ET OL., 1986), sugerindo que os ascerentes primários de fibras C podem não serem essenciais para a produção de analgesia convencional por eletroacupuntura. Entretanto as fibras AB e A Δ podem ser componentes mais importantes para as fibras ascerentes mediarem sinais de acupuntura para o sistema nervoso central e no intuito de produzir um efeito antinosseptível. Foi substantificado em um estudo recente utilizando a expressão C-Fos como um indicador da nossa excepção do corno posterior da medula espinal do rato ( ZHANG ET OL., 1994), demonstrando que a expressão da C-Fos induzida pela formalina nas camadas superficiais do corno posterior podem ser praticamente abolidas através da aplicação tópica de capsa ensina no nervo ciático. Sob as mesmas condições a discussão das fibras C, a aplicação de eletroacupuntura em pontos das pernas do rato ainda era capaz de induzir anti-nossecção utilizando a retirada do rabo como um índice de nos cepção.

A ESPECIFICIDADE DO LOCAL DO PONTO DE ACUPUNTURA

A especificidade do sítio do ponto de acupuntura não deve ser supervalorizado quando se trata de analgesia. Não existe ainda nenhuma evidência clara que demonstre que uma estimulação de um simples ponto de acupuntura possa induzir uma analgesia sítio específica em áreas remotas. Cerca de dez pontos diferentes de acupuntura testados em voluntários humanos utilizando a iotonforeze de potássio para induzir dor experimental, o ponto (LI 14) foi encontrada o ponto de acupuntura mais eficaz para produzir um efeito analgésico geral (Grupo De Pesquisa De Anestesia Pop Acupuntura, 1973), provavelmente devido a densa inervação de fibras A beta nesta área (LU, 1983). O mecanismo de comportas também deve estar envolvido na analgesia segmentária , induzida pela acupuntura, especialmente quando a acupuntura é dada em um local de dolorimento (ache point ou aasim).

ANESTESIA POR ACUPUNTURA X ANESTESIA ASSISTIDA POR ACUPUNTURA

A extensão da analgesia pela acupuntura ou eletroacupuntura pode ser observada em animais em experimentação ou em humanos de modo substancial porém é apenas parcial em experimentos com ratos, a estimulação por eletroacupuntura (com intensidade menor de 3mA) promove um aumento na latência da retirada do rato em uma extensão equivalente a 4 Mmg/Kg (metade de uma dose máxima) de morfina. Em operações cirúrgicas, o uso de eletroacupuntura em combinação com a anestesia geral ou anestesia epidural reduz o consumo de anestésico por cerca de 50% (WANG ET OL., 1994; QU ET OL., 1996). Os resultados sugerem que a acupuntura ou a eletroacupuntura é capaz de produzir um efeito analgésico substancial porém não forte suficiente para abolir completamente a dor aguda invocada pela cirurgia.

ESTUDO DE TRANSFUSÃO DO LÍQUIDO CÉFALO RAQUIDIANO

A transmissão do líquido céfalo raquidiano foi realizado em 1972 publicada em 1974 (GRUPO DE PESQUISA DE ANESTESIA POR ACUPUNTURA, 1974). Este estudo demonstrou que o efeito da analgesia por acupuntura em um coelho pode ser transferido para um outro coelho através da transfusão do líquido céfalo raquidiano (LCR). Este foi a primeira evidência científica que sugeria o mecanismo neuro químico mediando a analgesia por acupuntura. Esse achado desencadeou uma série de estudos para explorar o papel dos neuro transmissores centrais na mediação da analgesia por acupuntura, entre eles a cerotonina (HAN ET OL., 1979., XU ET OL., 1994 B) e das capicolaminas (HAN ET OL., 1979 B). De fato os agentes químicos que aumenta a disponibilidade de cerotonina na senda cináptica (por exemplo a cloremidramina) demonstraram apresentar um aumento potencializador significantemente a analgesia por acupuntura em procedimento operatório como a extração dentária.

LIBERAÇÃO DIFERENCIAL DE PEPITÍDIOS OPIÁCIOS NO SNC PELA ELETRACUPUNTURA DE FREQÜÊNCIAS DIFERENTES

Um dos mecanismos mais importantes da analgesia por eletroacupuntura é que esta simulação acelera a liberação de pepitídios opiáceos no sistema nervoso central que interagem com receptores opiáceos relevantes para induzir um efeito antinosceptível o achado chave nesse ponto foi que a eletroacupuntura de 2Hv libera encefalina de beta endocina do cérebro e na medula espinhal para interagir nos receptores opiáceos MI e Δ no sistema nervoso central, enquanto que a estimulação de 100Hv seletivamente aumenta a liberação de dinocina na medula espinhal para interagir com os receptores opiáceos Kapa no corno posterior da medula espinhal (HAN., WANG, 1992). Este fenômeno originalmente demonstrou que ratos + coelhos também foi demonstrado ou confirmado em humanos (HAN ET OL., 1981). Novos estudos revelaram-se baixas freqüências (2Hv) e altas freqüências (100Hv) as estimulações podem ser mudadas automaticamente entre ambas, cada uma durando pelo menos 3 segundos, então todos os três tipos de pepitídios opiáceos (encefalinas, endocinas e dinocinas) podem ser liberadas simultaneamente. A interação cirurgística entre esses três pepitídios opiáceos endógenos, produz um efeito analgésico mais potente (CHEN,., HAN, 1992., CHEN ET OL., 1994). Estudos recentes revelaram que a estimulação de 2 e 100Hv utilizam diferentes dias nervosos para mediação do seu efeito analgésico (GUO ET OL., 1996 A, 1996 B., HAN., WANG 1992).

A REDUÇÃO DA SENSIBILIDADE (TOLERÂNCIA) DA ELETROACUPUNTURA PODE DESENVOLVER DURANTE ESTIMULAÇÃO PROLONGADA

A duração ótima da estimulação de eletroacupuntura tem sido demonstrada de 30 minutos, o qual é o período de indução necessário para o desenvolvimento da analgesia por acupuntura em humanos (GRUPO DE PESQUISA DE ANESTESIA POR ACUPUNTURA, 1976). Por outro lado, a estimulação que dura mais de uma a duas horas pode resultar inevitavelmente em uma redução gradual do efeito analgésico. Isto pode ser comparável com o desenvolvimento da tolerância morfina quanto múltiplas injeções são administradas em curtos intervalos de tempo, portanto o termo tolerância a acupuntura (HAN ET OL., 1981).

Um achado interessante é o de que ratos são feitos tolerantes a eletroacuputura de 2Hv ainda eram reativos a 100Hv, e vice e versa. Isto é compreensível porque a analgesia mediada por 2Hv e 100Hv são mediados por tipos diferentes de receptores opiáceos. A ativação de receptores opióides MI/ Δ pela encefalinas e endocinas na eletroacupuntura de baixa freqüência, e ativação de receptores opiáceos Kapa pela dinocina e eletroacupuntura de alta freqüência (CHEM., HAN, 1992). Os mecanismos para o desenvolvimento da tolerância por acupuntura são vários, dois entre eles foram bem clareados:

1. A eletroacupuntura repetida acelera a liberação de pepitídios opiáceos que deflagram a alto regulação da expressão gênica que receptores opiáceos em áreas cerebrais identificadas (WANG ET OL., dados não publicados).

2. A liberação de uma grande quantidade de pepitídios opiáceos no SNC conduz a liberação de um outro tipo de neuro pepitídio (CCK-8), que contagem com efeito opiáceo (ZHONU ET OL., 1993 A, 1993 B). Realmente, o desenvolvimento de tolerância a eletroacupuntura pode ser portergado pela administração central de um antagonista do receptor de CCK denominado L-365260, ou um anticorpo contra a CCK.

MAUS RESPONDEDORES X BONS RESPONDEDORES PARA ANALGESIA POR ACUPUNTURA

Quando um grande grupo (maior do que 100) de ratos é dado uma seção padronizado de eletroacupuntura, pode-se notar facilmente uma distribuição bimodal do efeito analgésico. A análise CLUSTER revelou dois grupos distintos; um demostrava um aumento na resposta de retirada do rabo não mais que 50% (maus respondedores) e um outro grupo demonstravam um aumento na latência da retirada do rabo por 50% por até 150% (bons respondedores), . Esse fenômeno é reprodutível, pelo menos em dois dias. O que era interessante é que os maus respondedores para a acupuntura também é um mau respondedor a pequena dose (3Mmg/Kg) de morfina e vice e versa (TANG ET OL., 1997). Os mecanismos para ser um mau respondedor são demonstrados de duas maneiras pelo menos: uma baixa taxa de liberação de pepitídios opiáceos no SNC e uma alta taxa de liberação de CCK-8 que é um potente anti-opiáceo. Um rato mau respondedor pode se tornar um bom respondedor pela injeção de RENA anti-soro para CCK no cérebro para bloquear a expressão do gene codificador para CCK (TANG ET OL., 1997), ou pela administração de um componente caracterizado com o antagonista do receptor de CCK-8 (C- 365260) (TANG ET OL., 1996). Por outro lado uma raça de ratos denominados T77 TMN, que são altamente susceptíveis a tontura audiogênica, foram encontrados para serem bons respondedores a analgesia por eletroacupuntura nestes ratos foram encontrados conter um alto nível de beta endocina e um baixo nível de CCK em seu cérebro. Eles podem se tornar maus respondedores pela administração de um vetor contendo um DNA C para CCK que induz uma super expressão da CCK SNC (ZHANG ET OL., 1992). Portanto um balanço dinâmico entre os pepitídios opiáceos e os pepitídios anti-opiáceos no sistema nervoso central o parece ser o fator mais importante na determinação da efetividade na analgesia por eletroacupuntura.

Deve ser efatizado entretanto, que a CCK-8 é apenas um dos membros da família denominadas anti-pepitídios opiáceos. O novo membros tem sido referentemente descoberto e é denominado orfanina (OFQ), um pepitídio de 7 menoácidos. O fato da OFQ estar funcionando como um outro mecanismo para analgesia por eletroacupuntura e evidenciado por um achado recente de que o bloqueio na expressão gênica da OFQ pela administração de um RNA anti-soro OFQ produz um aumento dramático na analgesia induzida pela acupuntura (TIAN, XU, GRANDY, HAN, ABSTRAPTI para o 1996 INTERNACIONAL NARCOTIC WYVART 2 A 15 de julho de 1996 LONGBIT USA).

OS MECANISMOS PARA O EFEITO ANTI-OPIÁCIOS DA CCK-8

Essas evidências tem sido obtidas para demonstrar que a CCK-8 forma um controle de réptil alimentação negativo para analgesia propiáceos, com a elevação dos níveis de opiáceos que geram a transcrição gênica, a cinsiproteica e em última análise a liberação do pepitídio CCK, formando um breque para a analgesia excessiva pelo opiáceo (HAN, 1995 A). Uma série de estudos foram conduzidos para explorar o seu mecanismo molecular de ação (HAN, 1995 B). 1- A ligação entre receptores opiáceos e CCK: CCK-8 demonstrou diminuir o número e a assimilidade dos receptores opiáceos, evidenciado pela redução Dmax e um aumento da Kd no receptor ligante. 2- (TATCH-CLAMB) promoveu evidências diretas que demonstram que a supressão do opiáceo correntes de cálcio de alta voltagem pode ser revertida pela CCK-8, indicando que a interação opiácio/CCK ocorre na membrana de um dos ambos neurônios (LIU ET OL., 1995., XU ET OL., 1996). 3- CCK-8 parece induzir receptores opiáceos que não se acoplam das suas proteínas relevantes G, portanto interferindo na transdução dos sinais transmembrana induzido pelos pepitídios opiáceos (ZHANG ET OL., 1993 A) a ativação do CCK-8 através do fosfo izonidato (Fl) sinalizando no sistema nervoso central (ZHANG ET OL., 1992), que aumenta a concentração de cálcio livre intracelular pela mobilização de armazenamentos de cálcio intracelular, portanto reduzindo um efeito opiácio de cálcio livre intracelular (WANG ET OL., 1992).

TRATAMENTOS MÚLTIPLOS DE ACUPUNTURA COM O ESPAÇAMENO DE TEMPO APROPRIADO PODE RESULTAR NO EFEITO CUMULATIVO DA ELETROACUPUNTURA

Alguns acupunturistas reclamam que o efeito terapêutico produzido por tratamentos múltiplos de acupuntura uma vez por semana é melhor que uma vez ao dia. Em ratos normais o efeito analgésico administrado pela eletroacupuntura realizada uma vez ao dia, uma vez a quatro dias, uma vez a cada sete dias, demonstrou-se que o regime de uma vez a cada quatro dias a analgesia por acupuntura demonstrou uma tendência a um fortalecimento gradual acompanhado de aumento gradual na concentração de monoamina de perfusato espinhal, enquanto esse regime de uma vez por dia, havia uma redução gradual do efeito analgésico, com o desenvolvimento da tolerância.

Entretanto ratos com artrite experimental, o tempo de espaçamento ótimo para os melhores efeitos terapêuticos tornam-se diferente quando daqueles observados em ratos normais dependendo do modelo patológico que está sendo utilizado. Este é um assunto que merece maiores investigações.

CONCLUSÃO

O uso de metodologia científica moderna é absolutamente essencial para clarificação da base científica para terapêutica com acupuntura. Pesquisa na fisiologia da acupuntura contribuíram para o desenvolvimento da neurociência a partir do nível molecular ao comportamental. Questões que surgem na prática clínica são fontes preciosas para pesquisa básica dos mecanismos de acupuntura. A pesquisa de alta qualidade científica irá certamente pavimentar os caminhos para a aceitação do uso popular da acupuntura relacionado as técnicas para o benefício do paciente que sofre da dor crônica e também de outros distúrbios funcionais. (HAN,1994).
O oktapepídio coles estuquímica reverte o receptor opiácio Kapa.

DEPRESSÃO MEDIADA DAS CORRENTES DE CÁLCIO DO CORNO POSTERIOR DA MEDULA ESPINAL DO RATO

Os neurônios do corno posterior da medula espinhal transmitem sinais de temperatura tato, noz cepção e estiramento muscular tendínio da periferia para a medula espinhal. Pepitídios opiáceos são importantes mediadores químicos na inibição pré-cinápticas, uma vez que causam tanta redução da liberação de neuro transmissores (nº 16 cap. Página 509) e a redução da duração do potencial de ação dos neurônios do glândulo da raiz dorsal (ref. 27’página 509). A ativação de receptores opiáceos Kapa para inibir os canais de cálcio (8), portanto reduzindo a liberação de neuro transmissores dependentes do cálcio ou neuro transmissores cálcio dependentes.

O oktapepitídio coles estuquímica (CCK-8), que é conhecida como um pepitídio endógeno anti-opiácio (10) é prevalente em várias partes do sistema nervoso central, notavelmente nas substância gelatinosas da medula espinhal em uma grande variedade de espécie (7, 12). Existe evidência de que a CCK não apenas produz excitação neuronal no corno posterior mas também atua como um antagonista do efeito antinosceptíveis produzido pela morfina e opiáceos endógenos (10, 26).

Os sítios de operação opiáceos – CCK ainda não foram preciosamente determinados, entretanto estudos de ligação sugerem que os receptores opiáceos e os receptores CCK podem ser localizados nos mesmos neurônios (2,5,7,18,30).
Todos os três tipos de receptores opiáceos (MI, Δ, Kapa) são encontrados nos neurônios da glândula da raiz dorsal (5, 27). Enquanto os receptores MI e Δ parecem afetar tanto os canais de cálcio e potássio, os receptores Kapa atuam exclusivamente nos canais de cálcio (D9). Nossos achados de que os efeitos inibitórios produzidos pela U50 são completamente bloqueados pelos antagonistas seletivos dos receptores KAPAS NOZ-BNI suporta a visão de que o efeito da U50 nas correntes de cálcio e resultante da sua interação com o receptor Kapa ou receptor opiácio Kapa. Que a influência da CCK-8 na antagonização no efeito da U50 pode ser completamente bloqueado pelo antagonista seletivo CCK-8 (L365260) é uma linha que deve encontrar não apenas a CCK B mas também a CCK A, os sítios de ligação da CCK B e também da CCK A presentes nos neurônios do glândulo da raíz dorsal dos ratos (77). Também é muito similar a estudos prévios realizados neste laboratório (15) que a CCK-8 era capaz de reverter a inibição das correntes de cálcio voltage independentes induzida pelo antagonista opiácio MI seletivo omecentonil nas mesmas preparações do glândulo da raiz dorsal.

A observação de que a interação CCK opiácio era realizado em 37 neurônios do glândulo da raiz dorsal também foi demonstrado a receber opiáceo Kapa U50. Entretanto os dados mostraram que essa interação existe em apenas 22 e 37 neurônios (59%) esta distribuição tudo ou nada pode ser explicada entre os neurônios do glândulo da raiz dorsal equipados com receptores opiáceos kapa, que apenas 59% deles apresentam uma coexistência com receptores CCK.
É peculiar que a antagonização do CCK-8 na supressão das correntes do fluxo de cálcio mediadas pelo receptor K da célula do glândulo da raiz dorsal portanto da CCK-8 por si só inibi as correntes de cálcio entretanto fenômenos similares tem sido encontrado nos experimentos de retirada de cálcio (45) no qual a CCK-8 antagonizava um efeito inibitório no receptor Kapa sobre a retirada de cálcio no corno posterior da raiz dorsal nas preparações cinapto sônicas enquanto que a CCK-8 por si só inibia a retirada de cálcio.

Esse dilema pode ser o mesmo mecanismo de outros igualmente peculiares denominados que a CCK-8 antagoniza a analgesia pelo opiácio porém ela mesma pode produzir analgesia após a injeção intra pecal (14) ou subcutânea (29).
Essas questões podem ser melhores observadas quando o mecanismo do receptor opiácio e CCK os efeitos nos canais iônicos forem clarificados.

Tanto a inibição das correntes de cálcio induzidas pelos receptores opiácio Kapa e a CCK-8 nos neurônios do glândulo dorsal dos ratos podem ser vencidos pela desterialização das grandes membranas. A inibição voltage independente similar das correntes de cálcio também foi observadas pelo receptor opiácio MI (23, alta 2 adreno-receptor (1) e LHRH (4). A vontade voltage independente pode também, entretanto, ser uma propriedade comum de todos os receptores que mediam a inibição das correntes de cálcio, uma vez que a inibição voltage independente pode ser relatada tanto para os receptores GABA B (21) e alfa 2 abrindo receptores kapa opiácio e o receptor CCK B pode compartilhar um mecanismo comum pra a inibição das correntes de cálcio nos neurônios do glândulo da raiz dorsal dos ratos.

Os receptores opiáceos e CCK estão predominantemente localizados nas substâncias gelatinosas onde as fibras ascerentes terminam.

É interessante perceber se a interação opiácio-CCK-8 ocorre no sítio pré ou pós cináptico ou uma combinação de ambos e uma preparação em vídeo do corno posterior da medula espinhal (DICKENSON ET OL.,3) aplicou glutameto para excitar diretamente neurônios via injeção de pressão, portanto transpassando terminais ascerentes.
Nenhuma interação funcional foi encontrada entre a morfina e CCK, sugerindo que o sítio de ação da CCK e receptor opiácio pode ser nos terminais pré-cinápticos as fibras ascerentes.

Portanto os receptores opiáceos Kapa e os receptores CCK B podem coexistir pelo menos em uma sub população dos neurônios da glândula da raíz dorsal. Além do mais, a interação entre os opiáceos e os receptores CCK podem estar bem localizados pré-cinapticamente.

É provável que a mobilidade sensorial varia entre os corpos celulares do glândulo da raíz dorsal nos diferentes diâmetros. As fibras de condução rápida AΔ e AB nos neurônios dos glândulos da raíz dorsal tem corpos celulares maiores enquanto que as fibras de condução lenta A alfa e C tem corpos celulares menores ( WANG ). A maioria das fibras do tipo A alfa dos neurônios A alfa transmitem informações táteis e propiceptivas enquanto que as fibras AΔ e C mais freqüentemente transmitem informações técnicas e dolorosas (6,28). Portanto os resultados obtidos através de neurônios pequenos e médios da glândula da raíz dorsal podem explicar até certo ponto o mecanismo antagonismo da CCK na analgesia pelo opiácio e no desenvolvimento a tolerância pelo opiácio.

ABORDAGEM BIOLÓGICA MOLECULAR

JI RURONG, VHANG QIN, HANJISHING

A ELETROACUPUNTURA AUMENTA A EXPRESSÃO DO RNA MENSAGEIRO DAS ENCEFALINAS NO CORNO POSTERIOR DA MEDULA ESPINHAL E TRATA-SE DE UM ESTUDO DE HIBRITIZAÇÃO EM SÍTO

Estudos prévios demonstraram que a eletroacupuntura acelera a liberação de encefalinas na medula espinhal. Este estudo investigou o efeito da eletroacuputura na expressão da pré pró-encefalina RNA mensageiro na medula espinal de ratos e na medula através de uma técnica estuquímica de hibredização em sito. Os animais recebiam a estimulação com eletroacupuntura 2Hv (equivalentes a 1-2-3 MA, 30 minutos) aplicados em pontos de acupuntura sendial eCVI da perna posterior. Ratos foram confundidos 24 horas após a eletroacupuntura com as alterações quantitativas na expressão do RNA mensageiro da pré pró-encefalinas foram determinados pela emissão autora diográfica. Na estimulação por eletroacupuntura encontrou um aumento no número de neurônios que expressavam na medula espinhal o aumento da expressão do RNA mensageiro e que era ais marcável do corno dorsal hipso-lateral na medula espinhal especialmente nas glândulas 3 e 4 e contra a lateral na medula ventro medial especialmente nos núcleos reticulares paragigantes celulares. Os resultados evidenciam a hipótese encefalinérgica da analgesia por acupuntura.

Também sugere que o aumento da biosinte da essência do precursor da encefalina pode auxiliar na compensação para perda de armazenamento de tecidual da encefalina durante o período de estimulação por eletroacupuntura.

SUBSTRATOS CEREBRAIS ATIVADOS PELA ELETEROACUPUNTURA DE DIFERENTES FREQÜÊNCIAS: ESTUDO COMPARATIVO DA EXPRESSÃO DO GENE C-SOS E GENES QUE CODIFICAM TRÊS PEPITÍDIOS OPIÁCIOS

A analgesia reduzida pela eletroacupuntura de baixa e alta freqüência demonstraram ser mediados por diferentes substratos cerebrais e diferentes pepitídios opiáceos. Neste estudo a imunoreatividade FOZ-LIKE (FLl) e a ibritização em sito de 3 RMAm de 3 opiáceos foi utilizada para examinar o efeito da freqüência da baixa (2Hv) e alta (100Hv) na atividade neuronal e a expressão dos genes opiáceos 2Hv e 100 Hv da eletroacupuntura induziram padrões especiais marcadamente diferentes de expressão da FOS no cérebro de ratos, sugerindo que existe vias neuronais distintas na eletroacupuntura de diferentes freqüências. Do mesmo modo, eletroacupuntura de 2Hv e 100Hv exerce efeitos diferentes na expressão gênica opiácea: enquanto a eletroacupuntura de 2Hv induz uma expressão do RNAm mais extensivo e intênsica pré pró-encefalina (PPE) do que a eletroacupuntura de 100Hv, ele não apresentava efeitos na expressão do RNAm da pré pró dinorcina (PPD) que estava significantemente aumentada pela estimulação da eletroacupuntura de 100Hv. Em contraste, a eletroacupuntura de ambas freqüências não afetou a POMC a expressão do RNA POMC.

O leite

O leite

1) Cada vez mais a população se consciencializa de que uma alimentação correta é essencial para a obtenção de uma melhor saúde física e mental. Surgem por todo o lado lojas de produtos naturais e muitos supermercados têm uma seção denominada de produtos naturais e mais recentemente produtos biológicos.
Somos alertados pelos órgãos de comunicação social para os perigos em que incorremos quando ingerimos gorduras saturadas sob a forma de carne vermelha e ovos, açúcar refinado ou álcool. No entanto, é interessante verificar que os lacticínios, em especial o leite, são sempre considerados alimento “perfeitos” e completos. Fornece-se gratuitamente leite às crianças em idade escolar, existindo mesmo um subsídio estatal para o efeito. Desde muito pequenos nos ensinam que o leite é o rei dos alimentos e nos dá a proteína e o cálcio necessários para nos fazer crescer. Todos os dias nos são expostos estudos científicos sobre as vantagens dos lacticínios, estudos esses que não ousamos pôr em causa. Mas será que o leite e os seus derivados são alimentos tão benéficos quanto aparentam ser?

2) Estudos recentes demonstram que o leite além de não ser assim tão benéfico para a nossa saúde pode ser até extremamente prejudicial. A ingestão regular de leite de vaca tem sido associada a uma multiplicidade de desordens, que incluem alergias, asma, otites, problemas do sistema reprodutor tais como infertilidade e impotência, problemas gastrointestinais, agressividade, etc. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos, realçaram também o fato de que as crianças amamentadas com leite materno apresentam coeficientes de inteligência bastante mais elevados do que aquelas que são alimentadas com leite de vaca e derivados. Não podemos menosprezar tais estudos, realizados por eminentes cientistas em todo o mundo. E nem sequer necessitaríamos da colaboração da ciência, se utilizássemos o nosso bom senso: qual o animal, excetuando o homem, que continua a beber leite depois de desmamado?

3) Porque razão nós devemos nos alimentar de um produto que foi concebido pela Natureza para nutrir os bezerros? Será que as características fisiológicas de um ser humano são as mesmas de um bezerro? Ao analisarmos as diferenças entre o leite materno e o leite de vaca verificamos que, apesar de ambos parecerem semelhantes em composição, existem entre eles diferenças significativas: O leite de vaca contém três vezes mais cálcio , três vezes mais proteína e dois terços mais hidratos de carbono do que o leite humano.
Estas diferenças são devidas aos diferentes padrões de crescimento a que obedece o crescimento de um bezerro e o de um bebê. À nascença, o cérebro e o sistema nervoso do bezerro estão completamente desenvolvidos, pelo que este necessita de muito mais cálcio e proteína para aumentar a sua estrutura óssea e desenvolvimento muscular. O cérebro do ser humano, contudo, aquando do nascimento, só está 23% desenvolvido, sendo os nutrientes contidos no leite materno necessários para completar o desenvolvimento do sistema nervoso central. Enquanto que um bezerro aumenta nas primeiras semanas cerca de 37 quilos, um bebê, no mesmo espaço de tempo, aumenta apenas 1 a 2 quilos. O corpo do ser humano foi concebido para crescer mais lentamente e o leite humano contribui para este processo. Outra diferença, fundamental mas geralmente desdenhada, entre os leites humano e de vaca, é o tamanho ou qualidade das suas moléculas. O leite de vaca contém proteína e outros fatores nutricionais que se podem assemelhar ao leite humano. Contudo, as moléculas do leite de vaca são maiores do que as do leite humano. Uma das possíveis conseqüências de tais diferenças é as crianças alimentadas com leite de vaca se tornarem física e emocionalmente mais passivas e dependentes. O leite humano também fornece anticorpos que evitam a proliferação de bactérias e vírus indesejáveis, imuniza o corpo contra doenças e infeções, promove glóbulos brancos fortes (células T que destroem bactérias prejudiciais) e produz B. bifidum, um tipo único de bactéria, que se encontra nos intestinos dos bebês, criando resistência a uma variedade de microrganismos. Já nos anos trinta estudos governamentais indicaram que as crianças amamentadas com leite materno tinham um índice de mortalidade infantil significativamente inferior ao das crianças amamentadas com leite de vaca.

4) Existem também certos fatores nutricionais que não devemos menosprezar ao considerarmos os lacticínios como alimento apropriado para seres humanos. A proteína do leite de vaca e a do leite humano são diferentes: a primeira é denominada caseína, e a segunda lactalbumina. Apesar de o leite de vaca conter uma quantidade de proteína superior à contida no leite humano, esta é de difícil assimilação pelo nosso sistema digestivo, coagulando com freqüência e provocando problemas digestivos, dos quais o mais comum é a diarréia. A proteína do leite humano é de muito mais fácil digestão e assimilação. No que respeita a gorduras, as contidas no leite de vaca e em produtos como o queijo ou o iogurte são saturadas e de difícil digestão, contribuindo para um aumento de colesterol e ácidos gordos, substâncias que estão diretamente relacionadas com a elevada incidência de doenças cardiovasculares e cancro.

5) Interessante também acerca dos lacticínios é o fato de a lactose, um açúcar simples contido no leite, necessitar para ser digerida de uma enzima produzida nos intestinos, denominada lactase. A lactase, geralmente, só é produzida até aos dois, quatro anos de idade, ou seja, durante a idade da amamentação. Apesar de em algumas raças a lactase ser produzida mesmo após os quatro anos de idade, isto acontece numa percentagem muito pequena da população, nomeadamente em povos que ingerem grande quantidade de lacticínios há muitos anos, e cujos sistemas digestivos estão completamente transformados, assemelhando-se aos sistemas digestivos dos ruminantes, criando mesmo uma espécie de rúmen característico destes animais.

6) Todos os pontos até aqui apresentados deveriam ser suficientes par a nos fazer refletir se o consumo de produtos lácteos nos traz na realidade benefícios ou não. Mas consideremos também o modo como o leite moderno é tratado, e a forma como os animais são alimentados e medicados (alimentação altamente artificial destinada a fazê-los produzir a maior quantidade de leite possível e medicação com antibióticos para os tratar das infeções que esta alimentação lhes provoca.). Nos anos setenta, nos Estados Unidos, foi feita a experiência de alimentar alguns bezerros com leite comercial de vaca, verificando-se que todos eles morreram após algumas semanas. As conclusões a retirar da experiência são demasiado evidentes para que seja necessário explicá-las.

7) Freqüentemente ouvimos dizer que os lacticínios são o principal detentor de cálcio, quando há muitos outros alimentos com quantidades de cálcio superiores, raramente mencionados, talvez por não estarem associados com este moderno mito e não darem tão grandes lucros aos seus produtores. Alimentos como os vegetais verdes de rama ou as algas marinhas, utilizados na alimentação tradicional de muitos povos e que possuem propriedades nutritivas assaz grandes, têm quantidades de cálcio mais que suficientes para satisfazerem as nossas necessidades diárias.

8) Além disso, é mais importante a forma como assimilamos o cálcio do que propriamente a quantidade ingerida. É interessante notar que os países do mundo onde há uma maior incidência de osteoporose (enfraquecimento dos ossos por falta de fixação do cálcio) são precisamente aqueles onde existe um maior consumo de cálcio na forma de lacticínios. Existem tribos na África, onde as mulheres ingerem quantidades diminutas deste mineral, têm em média 9 filhos, que são por elas amamentados, e morrem por volta dos 80 anos, com toda a dentição e sem qualquer vestígio de osteoporose. Estudos mais recentes indicam que a forma como metabolizamos o cálcio está diretamente relacionada com a quantidade de proteína animal que ingerimos.
Assim, uma alimentação com um elevado teor de proteína animal, como é a alimentação moderna, afeta o metabolismo do cálcio, fazendo com que este mineral seja eliminado através da urina ou utilizado para neutralizar uma condição sangüínea mais ácida provocada pelo excesso de proteína.

9) A resposta para a osteoporose seria então uma alimentação com muito menos proteína e não necessariamente uma ingestão maciça de cálcio.

Acupuntura no SUS

Acupuntura no SUS

VITÓRIA – ACUPUNTURA MULTIDISCIPLINAR NO SUS COM RECONHECIMENTO VIA DATASUS

PORTARIA Nº 84, DE 25 DE MARÇO DE 2009. O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 511, de 29 de dezembro de 2000, que estabelece o cadastramento dos estabelecimentos de saúde no país, vinculados ou não ao Sistema Único de Saúde – SUS;

Considerando a Portaria nº 399/GM, de 22 de fevereiro de 2006, que divulga o Pacto pela Saúde 2006 Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto; Considerando a necessidade de atualizar a Portaria SAS/MS nº 154, de 18 de março de 2008, adequando-a às diretrizes da Portaria nº 971/GM, de 03 de maio de 2006, que institui a Política Nacional de Práticas Integrativas Complementares no âmbito do SUS; e Considerando a necessidade de adequar o Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde ? SCNES, resolve:

Art. 1º Adequar o serviço especializado 134 ? SERVIÇO DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS e sua classificação 001 – ACUPUNTURA de acordo com a tabela a seguir: COD SERV DESCRICAO DO SERVIÇO COD CLASS DESCRIÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO 134 SERVIÇO DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS 001 ACUPUNTURA GRUPO 1 CBO DESCRIÇÃO 2231-01 MÉDICO ACUPUNTURISTA GRUPO 2 2235-05 ENFERMEIRO GRUPO 3 2212-05 BIOMEDICO GRUPO 4 2236-50 FISIOTERAPEUTA ACUPUNTURISTA GRUPO 5 2515-10 PSICÓLOGO CLÍNICO – PSICÓLOGO ACUPUNTURISTA GRUPO 6 2234-05 FARMACÊUTICO

Parágrafo único: Permanecem inalteradas as demais classificações deste serviço. Art. 2º – Caberá ao Departamento de Regulação, Avaliação e Controle de Sistemas ? Coordenação Geral dos Sistemas de Informação, com o apoio do Departamento de Atenção Básica – DAB/SAS/MS, adotar as providências necessárias junto ao Departamento de Informática do SUS – DATASUS/SE/MS, para o cumprimento do disposto nesta Portaria. Art. 3º – Esta Portaria entra em vigor na competência abril de 2009.

Alberto Beltrame – Secretário

Procedimento de Acupuntura pelo SUS cresce mais de 120%

UOL/Ciência e Saúde 05/01/2010 – 11h42
Da Agência Brasil

Acupuntura

Dados do Ministério da Saúde revelam aumento no número de procedimentos de medicina não convencional (acupuntura, Medicina Tradicional Chinesa, homeopatia, plantas medicinais e fitoterapia) no Sistema Único de Saúde (SUS). De 2007 para 2008, as consultas de acupuntura, por exemplo, cresceram 122,7% , passando de 97.240 sessões para 216.616.

No caso das práticas corporais, que incluem tai chi chuan e lian gong, o crescimento foi de 358% nos últimos três anos, de acordo com o ministério.

A coordenadora da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), Carmen De Simoni, aponta três fatores para a expansão da medicina não convencional dentro da rede pública de saúde: a criação da política, em 2006, que incluiu procedimentos antes não existentes no SUS ou ainda pouco utilizados, a divulgação das práticas visando acabar com o estigma em relação à medicina não convencional e o incentivo aos profissionais para a adoção desses procedimentos.

?Houve estímulo aos profissionais que já estavam no SUS, que são homeopatas e acupunturistas, a colocarem à disposição do sistema esse conhecimento?, disse a coordenadora à Agência Brasil.

Além disso, o governo federal aplicou recursos maciços na ampliação da medicina alternativa. Na homeopatia, o investimento saiu de R$ 611,3 mil, em 2000, para R$ 2,9 milhões, em 2008, incremento de cerca 383%. Em acupuntura, o desembolso teve aumento de aproximadamente 1.420% nesse mesmo período, de R$ 278 mil para R$ 3,9 milhões.

Para o presidente da Associação Brasileira de Acupuntura, que oferece cursos na área, Evaldo Martins, o baixo custo da técnica milenar chinesa, que usa agulhas, e a rápida recuperação do paciente contribuíram para a expansão da prática no SUS. O atendimento é feito, na maior parte dos casos, em postos de saúde e nos Núcleos de Saúde da Família por médicos especializados ou acupunturistas.

Ele critica entretanto o projeto de lei conhecido como Ato Médico – que dispõe sobre as atividades privativas da profissão – e prevê prejuízos na prestação dos serviços à população se a proposta virar lei. Segundo ele, estima-se que existam 30 mil acupunturistas no país, sendo apenas 25% médicos.

Alguns profissionais de saúde também divergem sobre o projeto sob alegação de que procedimentos, atualmente desempenhados por outras categorias, se tornarão exclusivos dos médicos.

Para a coordenadora Carmen De Simoni, a tendência é de crescimento no número de consultas e o projeto não será um obstáculo a essa ampliação.

?Acredito que todas as categorias de saúde tenham o que aportar ao cuidado em saúde e também acredito que a categoria médica é muito relevante, tem muito a contribuir, assim como a fisioterapia, a biologia e a enfermagem e as 14 categorias da saúde. Não vamos ter nenhum tipo de redução [na prestação do atendimento alternativo] por aprovação de algo tão esperado como a lei de exercício de uma categoria profissional?, afirmou a coordenadora.

O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, em outubro passado, e volta ao Senado para votação.

Clique no botão abaixo para fazer o download de uma apresentação sobre a Acupuntura no SUS:

Download

whois . Erbuysibgita .

Viva bem com os 10 mandamentos da Medicina Tradicional Chinesa

Viva bem com os 10 mandamentos da Medicina Tradicional Chinesa

Viver de forma saudável tornou-se um objetivo cada vez mais possível de ser conquistado. É crescente o interesse da sociedade na busca pela melhor qualidade de vida. Muitos já se preocupam com a saúde de uma forma preventiva e têm como grande aliada a milenar sabedoria oriental.

Desde a antiguidade, os povos orientais, principalmente da China, já faziam uso de ervas, massagem e acupuntura com fins terapêuticos.

Durante milhares de anos foram sendo desenvolvidas essas e outras práticas interpretadas e empregadas segundo a filosofia, a cultura e os dogmas religiosos de cada época.

Surgiram importantes conceitos como o de YIN e YANG (forças opostas e complementares que regem o universo) e a teoria dos 5 Elementos/Movimentos da natureza (madeira,fogo,terra,metal e água).

Esses princípios formam os pilares da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) cuja visão de saúde baseia-se no estado de harmonia entre o YIN e o YANG que gera a energia vital (CH’I ou QI) e os 5 Elementos/Movimentos.Tanto a falta quanto o excesso de uma dessas forças/elementos causa desequilíbrios energéticos e origina as doenças.

Os “10 Mandamentos” visam proporcionar ensinamentos de como conservar a saúde, o bem estar e a harmonia através do comportamento e estilo de vida:

1-RESPEITAR A NATUREZA

Todos os seres vivem entre o céu (YANG) e a terra (YIN).A energia YIN e YANG de todas as coisas ,inclusive do Homem,comunicam-se com a energia YIN e YANG do Universo.Os chineses antigos sempre observaram a ligação entre o homem e o meio ao seu redor e que toda mudança que ocorria na natureza repercutia nele.

Os antigos se reconheciam como parte integrante de um sistema cosmológico sagrado com o mundo e não como uma entidade separada da natureza.Sabia-se que quando a terra era próspera,eles progrediam;mas quando o equilíbrio era destruído,eles sofriam.Procuravam portanto favorecer e respeitar a natureza,e nunca prejudicá-la.

O chinês antigo já sabia e enxergava o ser humano como um microcosmo reflexo do macrocosmo (Universo). E diante dessa imutável condição que possui,deve desenvolver,especialmente a partir desse milênio,uma consciência mais alerta e atuante para preservar a natureza,pois cada um de nós faz parte da natureza.Aliás,cada um de nós é a natureza.

2-EQUILIBRAR A ALIMENTAÇÂO E O CONSUMO DE LÍQUIDOS

A alimentação é uma necessidade básica e envolve diversos aspectos (sócio-econômicos,culturais,nutricionais entre outros) tornado-o um assunto dos mais complexos a ser explorado.

Na MTC, alimentação não só é uma causa patológica importante como também significativo contribuidor para a saúde e mantenedor da energia e da vida. Todos os aspectos quantitativos,qualitativos e energéticos dos alimentos são considerados assim como as condições dessa alimentação.

Cada fator deve ser analisado: a escassez ou excesso, os diversos tipos de dietas,o número de refeições e seus horários,a procedência e a composição dos alimentos (inclusive a presença de conservantes, hormônio ou manipulação genética),o estado emocional em que a refeição é feita…a lista é infindável.Podemos dizer que somos o que comemos, o que deixamos de comer e como comemos.

Um dos primeiros passos para ser saudável é mudar a forma de relação com o alimento, conhecendo sua origem, como foi produzido,reconhecendo nossas reais necessidades para deixar de consumi-lo de maneira mecanizada e inconsciente. Pequenas dicas e orientações podem auxiliar nesse processo como acontece,por exemplo, na acupuntura, na classificação dos Biotipos Constitucionais (TAI YANG ou AR, SHAO YANG ou FOGO, TAI YIN ou TERRA e SHAO YIN ou ÁGUA).

Cada um possui particularidades peculiares no seu perfil psicológico, na sua constituição física, predisposição a desequilíbrios energéticos assim como na compatibilidade alimentar. Ou seja,uma vez classificado o biótipo da pessoa ,é possível ter acesso a uma valiosa gama de dados que direcionam não só a terapêutica mais adequada como também nos ensina sobre comportamento e as escolhas mais benéficas de alimentos.

O auto-conhecimento e as informações que obtemos são ferramentas preciosas para a consciência alimentar e ajudam a realizar as mudanças necessárias e realmente empregá-las no cotidiano da melhor forma possível.

3-VIVER EM EQUILÍBRIO E HARMONIA

Os antigos permaneciam saudáveis pois seguiam o princípio do YIN e YANG e assim viviam em harmonia com a natureza.Moderavam-se no beber e no comer,suas atividades eram regulares,não cometiam excessos ,gozavam de saúde física e mental e viviam até idade avançada.Nos dias atuais, porém,as pessoas não se comportam mais assim…Com os avanços tecnológicos e científicos houve uma enorme melhoria nas condições de vida,é inegável.Por outro lado,mudamos nossos hábitos,atitudes,horários,a forma de pensar e de agir.Na maior parte do tempo,negligenciamos a manutenção da saúde por não entender as verdadeiras necessidades ou, por causa das imposições da vida, fazer o que não queremos e deixar de fazer o que gostaríamos.

Segundo a filosofia oriental,o primeiro passo para viver em harmonia e equilíbrio com o mundo é encontrar o próprio equilíbrio e harmonia.Direcionando nosso olhar para a sabedoria dos antigos, reaprendendo a respirar e a comer, a “ouvir” nossa intuição,reconhecendo os erros e aceitando que existe o momento de empreender mas há o momento de ser paciente e esperar.

Tendo coragem de mudar e perseverança para manter essa mudança, é possível que reconheçam e adotem pouco a pouco o exemplo de fazer a diferença na busca do equilíbrio e harmonia.

4-FAZER EXERCÌCIOS FÌSICOS E ALONGAMENTOSNA MEDIDA CERTA

O HUANG DI NEI JING,conhecido como o Clássico de Medicina do Imperador Amarelo (importante compilação e mais antigo livro de medicina que se tem notícia) ,já registrava que no passado as pessoas praticavam o Tão(“O Caminho da Vida”) , combinando alongamentos ,massagem e respiração para promover o fluxo de energia e viviam 100 anos…

Vida saudável tem a ver com moderação.Pela MTC,não é indicado passar dias, meses e até anos sem fazer o mínimo esforço em se mexer .Muito menos deve-se castigar o corpo com rotinas rigorosas de exercícios e levantamentos de pesos.Recomenda-se práticas suaves e regulares.

Na china ,o dia-a-dia de muitos começa com atividades matinais como por exemplo o Tai-chi-chuan (misto de dança e alongamento) que conserva o corpo e a mente em forma.Muitas artes marciais orientais baseiam-se no Qi Gong ( ou Ti Kung ) que ensina maneiras de se movimentar e respirar para ajudar a energia vital.

Para adotar uma atividade física é preciso experimentar e se identificar com aquela que traga conforto e bem-estar.Talvez seja preciso modificar horários ,ter bastante força de vontade ou “vencer” a preguiça nos dias chuvosos.Mas vai valer a pena pelo menos tentar fazer da prática física uma parte do seu dia para revigorar sua energia até torná-la um item indispensável em sua vida

5-DORMIR BEM

O dia corresponde ao YANG,ao movimento.A noite relaciona-se ao YIN,ao repouso.Durante o dia trabalhamos,estudamos realizamos nossas atividades,estamos ativos.

Quando chega a noite descansamos e dormimos.Pelo menos é o que deveríamos fazer.No entanto cada vez mais as pessoas (e até crianças) estendem suas atividades por noite a dentro sem horário regular para dormir.No período da noite é que nossa energia vai sendo restaurada e vitalizada para estar em fluxo constante e adequado,proporcionando crescimento,desenvolvimento,purificação e fortalecimento.

O tempo necessário de sono varia para cada pessoa e também com a idade.,mas todos nós precisamos dele.A curto prazo,os efeitos da sua privação podem ser ignorados.Porém, os sinais de um estilo desrregrado de vida surgirão e o corpo inevitavelmente irá “reclamar”.

Ser saudável envolve um conjunto de atitudes e de hábitos.Não adianta alimentar-se adequadamente e praticar exercícios físicos se depois a pessoa fuma, trabalha demais e está sempre irritada.É preciso ser coerente .Portanto procure adaptar seus horários dando ao corpo e à mente o que eles necessitam e durma bem!

6-TER LAZER

Sem o ar que respiramos não viveríamos. A alimentação é indispensável à vida .E o trabalho dá sentido à existência. Contudo ,o ritmo de vida e as condições sócio-econômicas muitas vezes colocam para o fim da fila algo que todos também precisamos ,o lazer.As merecidas férias após um longo período de trabalho,momentos de prazer com a família ou curtir um hobby sem culpa nem sempre é possível.

Nunca em outra época houve tanto estresse,isolamento social e distúrbios mentais.Na visão da MTC, é normal sentir emoções como tristeza,raiva,preocupação e medo como reação aos acontecimentos assim como sentimos alegria. Entretanto,a partir do momento que tornam-se excessivos passam a ser considerados prejudiciais e causadores de doenças já que deixam de ser uma reação natural ao que acontece e passam a ser sentimentos constantes e desgastantes.

Aprendendo a lidar com as emoções,podemos reagir de forma mais positiva com os acontecimentos(o que não implica em resignar-se).Permita-se momentos de convívio e lazer e amplie sua capacidade de cultivar uma vida melhor.

7-PROTEGER-SE DOS FATORES CLIMÁTICOS

Na visão da MTC ,o clima é a mais importante fonte externa (ambiental) de desequilíbrios energéticos e doenças.Os seis fenômenos climáticos básicos são: vento,frio,calor,umidade,secura e calor de verão.Suas oscilações dentro de limites moderados são consideradas normais e naturais.

De modo geral,se o corpo está saudável e forte, o YIN e o YANG estão equilibrados e a energia é suficiente, o corpo não é afetado pelas variações climáticas,a menos que sejam extremas e prolongadas.Se entretanto,o corpo estiver enfraquecido e sem defesas,os fatores climáticos podem tornar-se lesivos.

Os antigos observavam a natureza,conheciam seus ciclos e alterações.Com a modernização perdeu-se a capacidade de reconhecer esses fenômenos.Muitas vezes ignora-se a importância de se proteger dos fatores climáticos por falta de conhecimento,por desconsiderar conselhos (quase sempre vindo dos mais velhos)ou por força de circunstâncias como o tipo de trabalho ou local de moradia.

Usamos roupas inadequadas, ficamos expostos muito tempo ao frio,calor ou vento,moramos em locais úmidos… Nem sempre é possível modificar uma condição como o emprego ou residência.Mas se,por exemplo no trabalho exige uma exposição prolongada ao calor e a roupa fica suada e molhada,ter uma muda extra para troca já ajuda.Quase sempre uma adaptação pode ser feita.

Busque informação,procure orientação,tenha bom senso e fortaleça sua força de vontade.Adote gestos simples mas que protegem.

8-DIGA NÃO ÀS DROGAS

Os motivos e os meios pelos quais alguém começa e continua a usar drogas é um capítulo a parte.

Todos sabem, porém,dos efeitos profundos e duradores na mente ,nas emoções e no corpo físico de quem as usa.E não difere muito desse caso também o uso indevido e impróprio de medicamentos ou ervas medicinais ou até do cigarro.A dependência e os males por eles causados são graves e dificilmente revertidos.Independentemente do tipo, da freqüência e do objetivo do uso,afetam a saúde não somente do usuário como ainda da família e de pessoas próximas.

Deixar que as drogas façam parte da sua vida não condiz com uma conduta saudável.Se for preciso,peça ajuda.Conquiste o poder de dizer não às drogas.

9-GOSTE DO SEU TRABALHO E RESPEITE SEUS LIMITES

Durante o período da pré-história o homem habitava onde houvesse alimentos, água e onde as condições climáticas fossem favoráveis à sua sobrevivência.Ele seguia seus instintos e suas atividades estavam diretamente relacionadas à obtenção de alimentos seja como caçador,coletor ou, mais tarde, criador e agricultor. Pode-se dizer que até os dias de hoje, com uma parcela mínima de exceção, continuamos a exercer o trabalho para sobreviver.

Mesmo sabendo que todas as atividades possuem sua parcela de contribuição para o funcionamento da sociedade e evolução da humanidade, é preciso reconhecer que poucos conseguem obter satisfação em todos os aspectos (pessoal, profissional e financeiro) ou até mesmo em um deles.

Muitos são a única fonte de renda da família ou complementam essa renda, alguns por escolha errada de profissão ou falta de capacidade para outra colocação… Outros ainda encaram o trabalho como verdadeira maratona e trabalham durante muitas horas chegando a “levar” o trabalho para casa. Sobrecarga física e mental, insatisfação e sensação de impotência surgem e podem acumular-se e tornar-se um estado permanente e fazer adoecer. Se puder mudar de emprego ou profissão, mude. Se não puder,tente adotar uma atitude mais positiva.Se trabalha demais,reconheça a hora de parar.Não é fácil,mas pelo menos tente.

Quando prestamos atenção aos sinais vindos do corpo (mesmo que sutis) e às suas necessidades, reconhecemos nossos limites e limitações e aprendemos a respeitar nossa própria natureza. E isso, sim, traz felicidade e bem-estar.

10-CONECTAR-SE COM O UNIVERSO

Nossas crenças, condutas e costumes muitas vezes nos tornam incapazes de usufruir plenamente as nossas próprias vidas. Ficamos perdidos entre o passado e o futuro. Presos ao comportamento que,um dia,nos ensinaram e ao que os outros irão pensar de nós.Há momentos em que parece estarmos num ritmo tão frenético que duvidamos suportar.

No entanto, a vida pode ser muito melhor do que imaginamos.

Deixar velhos hábitos, fazer escolhas sábias e estar aberto a fazer pequenas mudanças são os passos de um caminho mais simples, natural e saudável de viver.

O Homem é o elo entre o Céu e a Terra. É a conexão com o fluxo constante e infinito de energia que é o Universo. E a vida saudável do Universo depende em primeiro lugar da vida saudável de cada um de nós.

Pin It on Pinterest